Seja bem vindo! Gostou? Compartilhe!

Bem-vindo ao nosso Site! Você também pode se cadastrar e receber todas as nossas atualizações no seu e-mail: Dicas de saúde, do dia a dia, vídeos...

Compartilhe

Nos siga por e-mail

Últimas publicações

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Cerca de 40% dos casos de câncer poderiam ser evitadosdoenças

2 de fevereiro de 2010


Cerca de 40% dos 12 milhões de casos de câncer diagnosticados anualmente em todo o mundo poderiam ser evitados. É o que revela um estudo da União Internacional contra o Câncer (UICC), com sede em Genebra, na Suíça, divulgado nesta terça-feira.

Para evitar a doença, seria preciso que as pessoas se protegessem contra infecções e mudassem seu estilo de vida, adotando hábitos mais saudáveis. O estudo ressalta que nove tipos de infecção podem resultar em câncer e pediram que as autoridades de saúde salientem em seus países a importância das vacinas e da mudança no estilo de vida para combater a doença.

O câncer do colo do útero e o câncer de fígado, ambos causados por infecções que podem ser evitadas com vacinas, devem ser a prioridade, indicou o relatório, não apenas nas nações ricas, mas também nos países em desenvolvimento, onde ocorrem 80% dos casos de câncer do colo do útero.

O UICC afirmou que quer concentrar a atenção dos responsáveis pelas políticas de saúde nas vacinas de prevenção ao câncer - como a fabricada pela GlaxoSmithKline e pela Merck & Co contra o vírus do papiloma humano (HPV), que causa o câncer do colo do útero, e outras contra a hepatite B, que causa doença hepática e câncer.

"As autoridades de todo o mundo têm a oportunidade e a obrigação de usar essas vacinas para salvar a vida das pessoas e educar suas comunidades para escolhas de estilos de vida e medidas de controle que reduzam o risco delas de câncer", afirmou o diretor-executivo do UICC, Cary Adams, em um comentário sobre o relatório.

A doença é uma das principais causas de mortes em todo o mundo e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse número não para de subir. O total de vitimas fatais da doença em todo mundo deve subir 45% entre 2007 e 2030, passando de 7,9 milhões para 11,5 milhões.

(Com agência Reuters)

Nenhum comentário:

Postar um comentário